Ivan da Costa Marques

De wikITA

Desenvolveu para o NCE, Núcleo de Computação Eletrônica, um Processador de Ponto Flutuante, em 1973. O PPF, que se interligava diretamente a CPU do IBM 1130, marcou o início de projetos nacionais na área de software e hardware básicos. Financiado pelo BNDE, o PPF foi repassado à Microlab que o industrializou no ano seguinte. Este primeiro projeto foi extremamente importante pelas suas características pioneiras, por envolver a compreensão do funcionamento interno do firmware de uma CPU estrangeira e por ser a afirmação de uma equipe em crescimento.

Links externos

Resumo do TG

CV no Sistema de Currículos Lattes

Processador de ponto flutuante (acessado em novembro de 2002)

Transcrição do conteúdo como estava em novembro de 2002:

Numa época em que o Brasil começava a usar computadores no campo científico, surge na UFRJ um centro de processamento de dados para atender a professores e alunos. Na época adquiriu-se com recursos do antigo BNDE um IBM 1130 com configuração mínima. Inicialmente criado como Departamento de Cálculo Científico da Coordenação dos Programas de Pós-Graduação para prestar apoio acadêmico, logo começa a ampliar suas atividades e, em março de 1967, desvincula-se administrativamente da COPPE. Nasce, com equipamentos e 50 profissionais cedidos pelo DCC/COPPE, o Núcleo de Computação Eletrônica, órgão suplementar do Centro de Ciências Matemáticas e da Natureza.

Até meados de 1968 foram oferecidos cursos de programação aos alunos e professores da COPPE para que utilizassem o computador em seus trabalhos acadêmicos e pesquisas. Os grandes benefícios advindos daí incentivaram usuários de outras áreas. Inicialmente, o DCC disponibilizava equipamentos, oito horas diárias, cinco dias por semana. Em 1969, o NCE já funcionava 24 horas, inclusive sábados e domingos. O final da década de 60 marcou o início da pesquisa e desenvolvimento na Informática. Surgiram os primeiros protótipos para a indústria brasileira, dentre eles o Processador de Ponto Flutuante, o Terminal Inteligente e o COPPEFOR, primeiro compilador FORTRAN nacional, todos desenvolvidos no NCE/UFRJ.

Desde o início de sua administração, Denis França Leite, primeiro coordenador do NCE (de 1969 a 1972), e uma equipe que ia de estagiários a analistas começaram a trilhar novos caminhos na área de Informática. Um grande esforço foi feito primeiramente na parte de programação , buscando prover as indústrias de projetos desenvolvidos aqui, ou seja, já adaptados às condições locais.

Em 1973, o NCE implantou sua área de desenvolvimento. Seu objetivo era gerar projetos de interesse estratégico para o País, a fim de repassar o conhecimento tecnológico adquirido, tanto para o meio acadêmico como para o setor industrial. Ao longo dos anos, muitos projetos foram desenvolvidos, vários deles repassados à indústria. Protótipos que não chegaram a ser industrializados tornaram-se produtos do NCE e foram utilizados pela Universidade como equipamento de trabalho ou como parte de trabalhos de teses.

No final de 1973, veio para o NCE Ivan da Costa Marques. Recém-chegado dos Estados Unidos, trouxe em sua bagagem a firme convicção de que o Brasil tinha que desenvolver atividades de pesquisa especialmente na área de hardware. Para ele, o país devia dominar a tecnologia, livrando-se de uma dependência que mais tarde poderia nos trazer problemas. Foi então que o NCE deu os primeiros passos no desenvolvimento e pesquisa em hardware.

O Processador de Ponto Flutuante PPF foi o primeiro projeto desenvolvido no NCE, em 1973. O PPF, que se interligava diretamente a CPU do IBM 1130, marcou o início de projetos nacionais na área de software e hardware básicos. Financiado pelo BNDE, o PPF foi repassado à Microlab que o industrializou no ano seguinte. Este primeiro projeto foi extremamente importante pelas suas características pioneiras, por envolver a compreensão do funcionamento interno do firmware de uma CPU estrangeira e por ser a afirmação de uma equipe em crescimento.

Antevendo os caminhos promissores do uso de microprocessadores no desenvolvimento de equipamentos digitais, o NCE produziu o Terminal Inteligente, baseado no microprocessador Intel 8008. Como subproduto deste projeto, foi desenvolvida uma família de terminais de vídeo, industrializada em 1976. A partir da experiência com o Terminal Inteligente, o NCE desenvolveu um sistema de entrada de dados compatível com o sistema IBM 3740, que veio a ser industrializado em 1978, sob o nome de SDE-40. O SDE-40 foi um dos primeiros microcomputadores de 8 bits projetado e produzido em escala comercial no Brasil.


Turma de 1967

Ferramentas pessoais