Mário Lúcio Côrtes

De wikITA

Encontro de 30 anos. Outubro de 2003

Compôs, em parceria com Arrigo Barnabé, seu primeiro grande sucesso, Clara Crocodilo, em 1971, em pleno andamento de seu primeiro ano profissional de eletrônica.

Trecho de depoimento de Arrigo Barnabé ao jornal Gazeta do Povo, de Londrina em 21/07/2010:

Quando você encontrou sua voz própria na música?

Meu primeiro trabalho, “Clara Crocodilo”, eu fiz com o Mário Lúcio Cortes, amigo de meu irmão Marcos. O Mário foi em casa ensaiar “Eleanor Rigby” com o Marcos, que tocava violino. Aí eu conheci o Mário. Nessa época eu estava começando a tirar coisas de Bach no violão. E o Mário estava fazendo a mesma coisa. Começamos a tocar juntos e ficamos amigos. Quando fizemos o “Clara”, Mário era meu interlocutor, um cara muito inteligente e talentoso. Nessa época, além do “Clara” eu fiz a canção “Lástima”, que ganhou um festival em Londrina, em 1973, com a Neuza Pinheiro no vocal. Foi quando eu senti que de fato eu poderia ser um compositor, com um grau de originalidade.

Links externos

CV no Sistema de Currículos Lattes

Íntegra da entrevista de Arrigo Barnabé


Turma de 1973

Músicos Iteanos

Academia Iteana de Letras

Ferramentas pessoais